21 de junho de 2010

O mínimo de etiqueta no trabalho

Minha experiência profissional, uma vasta gama de contra-exemplos e minha observação, todas juntas, puderam me fornecer algumas bases para a boa postura no ambiente de trabalho. Aqui estão algumas dicas que podem ser consideradas como de “etiqueta”, mas são uma questão de mero bom-senso:

- Faça seu trabalho e esqueça os outros. Não se importe se o seu colega está mesmo trabalhando ou não: afinal, nenhum de nós tem trabalho o tempo todo. Mas se ele é folgado demais, mesmo tendo trabalho, o seu comprometimento evidenciará a falta de dedicação dele. Não demorará muito para seu chefe perceber a diferença e você não precisará fazer papel de intrigueiro.

- Atrasar ou ter que sair mais cedo, de vez em quando, é normal... mas se você precisa de horário especial por causa do ônibus, por exemplo, você pode compensar na hora da saída os dez minutos que você atrasa no início do expediente ou vice-versa. Caso contrário, seria um desrespeito aos outros o fato de você trabalhar menos que oito horas por dia: não despreze a capacidade de os outros se ofenderem com isso.

- Todos os trabalhadores têm direitos, mas não abuse da boa vontade alheia. E o principal: invocar constantemente os seus direitos para cobrir indisciplinas não é postura adequada.

- Diferencie concessões de direitos. E se não se deve abusar destes, quanto mais daqueles! O trabalho não é sua casa: a conta de telefone, o cartucho, o papel, as pastas e outras coisas, não é você que paga. No funcionalismo público o uso desses materiais em proveito próprio é crime denominado peculato de uso.

- Vista-se e comporte-se de acordo com ambiente. Você se sentiria mal quando falta roupa no seu guarda-roupa, mas todos se vestem elegantemente? Então também não exagere no vestuário se os outros se vestem de maneira simples. A melhor forma de mensurar o nível do vestuário adequado, é situá-lo de acordo com o ambiente de trabalho. Isso não significa que você deve se vestir mal se o lugar for simples! Importante: trabalho não é lugar de roupas coladas, justas, curtas ou decotadas.

- Trabalho pode ter descontração, mas é preciso seriedade. Não seja escandaloso nas risadas, não assobie, não perturbe. Prefira ouvir sua música a tentar entrar num consenso para música ambiente. E mais uma vez, evite fofoca! Abra espaço para conversações se o clima for esse e se houver precedência, afinal, você não precisa ser antipático. Mas não seja a pessoa que desconcentra a todos e atrapalha o andamento das atividades.

- Nas comunicações amplas, seja sucinto. Dê posições sobre a situação, sem se perder nas histórias compridas. Uma dica interessante é ver pela reação dos outros a queda no nível de interesse conforme a conversa se alonga. Se for necessário tudo o que você tem a passar, tente fazer com que a participação dos ouvintes (diálogo) chegue ao mesmo ponto que você gostaria de chegar (no seu monólogo).

- Como em todos os campos do relacionamento pessoal, seja empático!

- Se você é chefe, não queira controlar todos os passos do subordinado: é contraproducente. Cobre resultados. Seja bacana como chefe. A simpatia não é importante só no relacionamento pessoal, mas também a relação de trabalho e a produtividade dependem da maneira de como as pessoas recebem ordens. Prefira ser convincente à impositivo.

Autora: Érica Marina

(in English)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget