18 de outubro de 2010

O aborto não é uma questão religiosa

Seja o homem ateu ou religioso, cristão ou não, seja ele quem for, será digno apenas se quiser preservar a vida. Só poderá ser chamado de humano aquele que for contra a morte deliberada de alguém. Não é preciso ser cristão para escandalizar-se com a crueldade do aborto. Que direito é esse que alguém teria de matar outrem em virtude do próprio conforto? Quando existe um feto, existe uma vida humana à espera de realizações, de choros, de risos e sobretudo, de aprendizado. Concordo que a criança não merece uma mãe que não a queira. Existem mães que não deveriam sê-lo, e são essas que reivindicam a crueldade de se matar crianças. Como se fizesse diferença alguma serem recém-nascidos ou fetos, pelo simples fato de lhes habitarem o ventre ou dele estarem livres! Essas mulheres, que enterram recém-nascidos vivos, que lhes abandonam no rio, que lhes tiram a vida antes de nascer, não merecem de fato serem mães. Devemos poupar as crianças de nascer de mães assim, mas não lhes pouparemos a vida que não tiveram chance de experimentar.

Conciliemo-nos com a nossa consciência e demos a essas mulheres a opção de dar à adoção os seus filhos, que merecerão a oportunidade de viver, por mais difícil que seja a vida. De um jeito ou de outro, não terão a mãe responsável que lhe desejou o nascimento e lhe faria de tudo. Mas não neguemos aos órfãos o direito de viver. Essas crianças indesejadas dos intuitos assassinos são órfãos de mães, mas filhos da sociedade (e de Deus, diria quem crê). Não compactuemos com sua morte! Se não pudemos pessoalmente averiguar cada espaço em que um ventre se desenvolve, agindo em favor da vida... que não legalizemos o crime! Essa integridade não é questão religiosa, é questão moral.

O primeiro direito fundamental do homem é a vida. Quantos de vocês que leem foram planejados? EU não fui. Eu nasci em circunstâncias em que a leviandade poderia justificar o aborto. E, devido à moralidade da minha família, estou aqui e prefiro viver.



Autora: Érica Marina


________________________________________
(parte adicionada em resposta aos comentários)

Nota 1: Em nenhum momento estou defendendo a prisão das mulheres que abortaram. Pode-se, com certeza, legalizar o atendimento às mulheres que abortaram, poupando sua vida e sua saúde, mas criminalizar o médico, o consultório, a clínica ou qualquer pessoa que se dispõe a fazer isso.

Nota 2: No caso de estupro, eu sei que a posição da mulher perante à gravidez não é a mesma. Ela não foi responsável pela origem do feto, querendo levianamente descartá-lo. Pelo contrário, ela é vítima de um trauma complexo. Apesar de ser sempre a favor da vida, eu sei que essa opção nesse caso é muito mais dolorosa.

33 comentários:

  1. Olá Erica...gostei muito desse.
    Permita-me expressar minha opinião, que é bem parecida com a sua, graças a Deus!!
    Primeiramente queria opinar sobre o título do texto "O aborto não é uma questão religiosa".
    Eu penso que o tema TAMBÉM é uma questão religiosa e vou explicar o porque...
    Por mais que Brasil seja denominado um país laico, não é de se negar que as nossas leis (como o direito à vida) e os principios culturais/sociais foram sim inspirados e influenciados pelos dogmas religiosos, principalmente aqueles pertinentes ao cristianismo. Sendo assim, eu acredito que todos aqueles que se consideram cristãos, têm o DEVER e a OBRIGAÇÃO de defender a criminalização do aborto, pois a bíblia é clara ao dizer que só Deus é quem cria e quem tira a vida.
    Infelizmente, muitas pessoas colocam a razão acima de todas as coisas, inclinando-se ao bem estar humano e, consequentemente, deixando de lado a vontade do Criador.
    À essas pessoas só desejo a misericórdio Daquele que soprou em suas narinas o fôlego da vida! (Gn 2:7)

    ResponderExcluir
  2. Em virtude deste texto, fui questionada com relação ao aborto no caso de estupro. Considerei a questão proveitosa.
    Mesmo nesse caso, ratifico minha ideia: deixe a criança nascer! Sou a favor da liberação à adoção nesses casos. Acredito em Deus tanto quanto a Paola e aceito que Ele guie os passos de uma criança rejeitada, mas não aceito o atentado à vida. Aceito que a criança viva nos braços de outra mãe, ou nas expiações que ela deva passar (as famosas "linhas tortas").
    Minha ideia é defendida sem meios-termos nesse caso, ou então eu apresentaria dois lados.
    Além disso, a defesa do direito de vida dá margem ao arrependimento da mãe. Seja na hora do nascimento, seja anos depois.

    ResponderExcluir
  3. MULHER TEM DIREITO DE ESCOLHER, ABORTO É UM DIREITO

    ResponderExcluir
  4. Eu entendo que eu postei uma opinião muito pessoal a respeito de um assunto polêmico. Estou disposta a publicar comentários contrários porque toda a discussão é válida.
    Nesse sentido, agradeço ao Marccelo por me permitir avaliar outra opinião. Entretanto, se sua forma de ver as coisas é diferente da minha, isso não lhe dá o direito de ofender-me. Por isso o seu comentário e outros do tipo não serão publicados.
    Aos defensores do aborto, eu sugiro a busca por imagens relacionadas à palavra em questão. Olhem e deixe o seu consciente dizer se isso está correto.

    ResponderExcluir
  5. Se vemos apenas o lado de uma vida inocente q eh tirada, eh muito lamentavel mesmo, mesmo q seja um feto, mas falar em adoçao num pais como o Brasil, q eh uma burocracia p poder adotar, e muitas crianças largadas em orfanatos acabam se perdendo, acho q eh um assunto muito polemico, mas precisa ser repensado, pq sendo o aborto legal ou nao, ele acontece em varias clinicas clandestinas. Acho tbm q eh muito facil falar q mesmo em casos de estupros a criança mereça nascer, mas qm dara acompanhamento psicologico p as maes q foram estupradas? Qm fara elas perdoarem o estuprador e amar a criança q esta no seu ventre, acho q p julgar um ato devemos ver os dois lados, se nao conseguimos ver os dois lados e fazer uma analise, nao passamos de meros criticos, e criticar eh algo q nao precisa de conhecimentos, basta falar o q pensamos...e as pessoas q dizem ser cristaos onde estao o amor ao proximo? onde esta deus qndo vcs julgam alguem sem ao menos tentar compreender...

    ResponderExcluir
  6. Legalizando ou não, não se pode esconder o fato de que quando a mulher quer o aborto, não será a lei que as impedirão de suas decisões, não se trata de ser correto ou não,e sim, de melhores condições. Julgar a pessoa pelo ato e não saber o que a levou a tomar esta decisão é julgar as cegas.

    ResponderExcluir
  7. É bom entender que o trauma ficaria para sempre na memória da mãe estuprada, independentemente de ter o filho para olhar todos os dias ou não...
    É sabido que o estupro é um ato violento e traumático, porém eu entendo que a gravidez é um benção de Deus e tenho a certeza que se a mulher estiver consciente disso, verá um milagre acontecer...o milagre de transformar o trauma em alegria.
    Além disso, eu tenho guardado e bem esclarecido no meu coração que so Deus é quem dá e quem tira a vida...e isso pode se estender à eutanasia, a idéia em clonar o ser humano e por ai vai!!
    Quem somos nós pra decidir que vive e quem morre? POr acaso vc se julga preparado para tomar uma decisão como essa?

    ResponderExcluir
  8. Lamento informar mas aborto acontece todos os dias, e meninas inrresponsavei morrem por causa disso! quem eh contra não o faça, quem eh a favor tem a opçao de faze-lo, livre arbitrio= liberdade.

    ResponderExcluir
  9. O Brasil não está preparado para legalizar o aborto, como não está preparado para legalizar a pena de morte, nem a redução da maioridade penal. Não estamos sendo educados para isso, não temos estrutura para isso e quaisquer ações que venham em favor dessas causas serão arbitrárias.

    ResponderExcluir
  10. O estupro é um trauma, para uma garota que faz um aborto nesse caso levara outro trauma em suas memórias, certamente. Como foi dito acima nosso país não tem estrutura de acompanhamento para casos assim, mas tirar uma vida que se iniciou é a atitude mais traumática e não resolve o problema, sem citar o fato da mulher correr o risco de infecção causando sua própria morte durante o processo do aborto. afinal confiar em uma clinica clandestina não é uma atitude certa não acham??? assistam algum video de aborto e verão o quanto o feto luta para tentar escapar daquele ferro que o destroi.
    Também imagino casos horriveis de abuso sexual ate mesmo contra adolescentes, mas creio que nenhum justifique o ato de matar alguém que não teve culpa de nada.

    ResponderExcluir
  11. Essa poesia toda piegas que você poe no seu texto não muda o fato de que uma gravidez indesejada não estar acima do desejo de uma mulher , ou mesmo do casal, de ter um filho na hora em que quiserem e estarem preparados. Vida não é sagrada, e um feto é só um amontoado de células, um ser humano começa muito depois disso.

    ResponderExcluir
  12. Renan, infelizmente você pode com direito chamar minha tentativa de compreensão de pieguismo. Os rótulos estão aí para isso. Por outro lado, as pessoas dizem que não posso julgar e me julgam...
    Respeito sua opinião e louvo a sua iniciativa, principalmente por não se esconder no anonimato.

    ResponderExcluir
  13. então vc acha mais bacana uma mulher pra não abortar,qdo tiver o bebe joga-lo no lixo ou nos rios como vem acontecendo frequentemente ao inves de abortar logo?

    ResponderExcluir
  14. A pessoa acima com certeza tem problemas de leitura. Mas não custa esclarecer: eu estou comparando os dois tipos de mulheres! Tanto as que abortam,como as que abandonam o recém-nascido não são dignas de serem mães.

    ResponderExcluir
  15. Justamente por defender a vida sou a favor da lei do aborto. Deixe-me explicar. No Brasil hoje a cada 5 mulheres, 1 ja abortou por vontade propria( Fonte: Revista Carta Capital). No SUS 30% do motivo das mortes de gestantes é devido a aborto praticado em casa.
    Hoje, se uma mulher quiser abortar ela vai no fundo do quintal e aborta. Com a nova lei, aliado a uma campanha de combate a clínicas clandestinas, a mulher iria a um posto de saúde que, através de consultas com psicologos, psiquiatras, assistentes sociais, etc... poderiam tentar salvar a vida do bebê.
    Nao adianta taparmos o sol com a peneira, descriminalizar o aborto não irá incentiva-lo, assim como a criminalização dele não tem sido eficaz.
    Ou então que se mantenha a criminalização mas que se jogue na cadeia 20% das mulheres brasileiras que ja abortaram... e aí?

    ResponderExcluir
  16. Agradeço demais o anômimo acima que, com sua crítica, me deu a percepção de que era preciso esclarecer esse ponto. Por isso adicionei uma nota ao fim do texto.

    ResponderExcluir
  17. Eu sou a favor do aborto.
    É bem melhor abortar a criança do que ela viver uma vida inteira de um jeito não agradável.
    Por que filho é uma responsabilidade muito grande.
    Aquelas pessoas que se dizem contra o aborto está fazendo o papel do Cap. Fábio do tropa de elite "deixando a pica pro aspira."

    ResponderExcluir
  18. Érica, bom texto!

    Sem dúvida, a questão do aborto é muito polêmica. Haja vista a dimensão que tomou na última eleição. Os dois candidatos que venceram o pleito tiveram que se retratar e retirar o apoio a essa prática para não perderem mais votos.

    Eu vejo fortes argumentos nos dois lados. Tanto nos defensores como nos detratores, mas, pessoalmente, sou contra. Nem mesmo a literatura médica chega a um consenso de quando começa a vida e, em minha opinião, o feto já é uma criança e, dessa forma, já tem vida.

    Outro ponto importante levantado no seu texto vem logo no título - O aborto não é uma questão religiosa – Concordo plenamente! É evidente que grande parte dos defensores da proibição do aborto façam isso por razões religiosas, mas não dá para limitar dessa forma. Questões filosóficas, sociológicas e jurídicas também oferecem matéria para o posicionamento contrário ao aborto.

    Parabéns por sua atitude democrática (e tão pouco comum na internet) de respeitar as opiniões contrárias a sua e publicar e tratar com urbanidade os comentaristas.

    ResponderExcluir
  19. Puxa, Eraserhead, é muito bom ler uma opinião assim lisonjeira quando já estou me acostumando a receber humildemente os ataques. E vejo na minha iniciativa de deixar aberto os comentários contrários uma forma de crescimento para todos que leem.

    ResponderExcluir
  20. Eu ainda acho que a mulher tem o direito de escolher o que fazer com seu corpo. Não posso dizer que eu abortaria caso fosse mulher, pois deve ser uma decisão um tanto complicada, mas não sou contra quem o faz. Na minha opinião, o aborto deveria ser legalizado, mas mesmo assim o governo teria que fazer campanhas para orientar as mulheres e não gerar um surto de abortos caseiros(que podem ser perigos caso mal feitos). Quem não concorda, não aborte. Mas não prive as mulheres do direito de mandar no próprio corpo.

    ResponderExcluir
  21. Não entendo como alguém pode defender a descriminalização daquela que provoca o aborto - reconhecendo seu direito a ser BEM atendida nos centros médicos - mas acha que deve continuar a punição a quem a ajudar a fazer os procedimentos!!! Ora, se é exatamente por falta de orientação e ajuda que as mulheres que abortam - a sociedade apoiando ou não - sozinhas vão parar nos hospitais correndo sério risco de morte!!! Pura hipocrisia e pouca reflexão séria sobre um assunto tão complexo.

    ResponderExcluir
  22. Julgar é tão fácil... Dizer que é uma questão de conforto para a mulher que carrega o feto no ventre é mais fácil e irracional ainda! Quando o estado der condições de sobrevivência e vida digna aos abandonado, serei contra o aborto.

    Direito de nascer não é ter direito de viver. Pra viver e se desenvolver corretamente uma criança precisa de muito mais que uma boa quantidade de dinheiro. Desumano é privar um nascente de amor e carinho, abandonando-o em um depósito de crianças, do qual será retirado tão somente se uma alma bondosa resolver adota-la e não desistir mediante ás dificuldades que a lei impõem. E como sabemos, vivemos em um país onde o índice de adoções é irrisório.

    Se posicionar contra e julgar é fácil, porém analisar a profundidade do assunto não é para qualquer um. Sou a favor, porém não teria coragem de fazer exatemente por conhecer a tortura á qual se é submetido para tal prática.

    Deixando de lado as opniões, pois cada um tem DIREITO de ter a sua, criminalizar não vai diminuir a quantidade de abortos realizados diariamente. Criminalizar é condenar o bebe e a mulher que o carrega no ventre à morte certa. Legalizar e educar reduziria o número de mortes de mães e bebes, o que é extremamente necessário pois estatísticamente mulheres que recorrem ao aborto são as que já têm uma familia formada e não veem meios de sustentar uma nova vida. E ai, até que nível vai a humanidade em obrigar uma mulher a procurar um aborto clandestino, sendo que neste caso a chance desta vir a óbito deixando suas crianças desamparadas é enorme? Até que ponto é humano a tentativa de um aborto mal sucedido que faz com que o bebe que deveria ser saudável nasça de modo quase incompatível com a vida? E ainda, é humano deixar que um anjo inocênte venha ao mundo para sofrer as duras penas, sendo fato que TODA a sua familia irá passar por necessidades?

    Existem tantos pontos a serem discutidos e tão pouco respeito para que haja a discussão.

    Cada ser tem o direito de possuir uma opinião, afinal somos seres livres e indivíduais. Mas julgar sem ouvir o réu...? Deixem os julgamentos para Deus.

    ResponderExcluir
  23. Eae? E se a mae correr risco de vida na gravidez? Melhor um recem nascido a uma mae viva? Desculpe-me a frieza, mas quem se importa mais com a vida de outra pessoa mais do que se importa com a sua, mate-se logo e doe seus orgaos.

    ResponderExcluir
  24. HOJE O BRASIL TEM UM GRANDE INVESTIMENTO EM PROGRAMAS DE PREVENÇÃO DE DST's E DE GRAVIDEZ, COM ISSO EM TODOS OS POSTOS DE SAÚDE SÃO LIBERADOS GRATUITAMENTE PRESERVATIVOS E ANTICONCEPCIONAIS, SE GAROTAS E MULHERES ENGRAVIDAM DEMASIADAMENTE A CULPA E DELAS E DA MAU BASE FAMILIAR QUE TEM, DEVEMOS INVESTIR NA EDUAÇÃO E ORIENTAÇÃO SEXUAL DE QUALIDADE. SE FORMOS LEVAR NESSA LOGICA DE QUE SE PESSOAS FAZEM TAL COISA ELA DEVE SER LIBERADA, ENTÃO VAMOS LIBERAR O CRACK, COCAÍNA, CORRUPÇÃO, PROSTITUIÇÃO,VENDA DE ORGÃOS, ESCRAVIDÃO SEXUAL E INFANTIL ETC. SE PESSOAS FAZEM ALGO NÃO QUER DIZER QUE SEJA BOA.ALÉM DO MAIS SE HOJE O SUS NÃO FAZ NEM TRABALHOS QUE SÃO
    BASICOS PARA DAR CONTINUIDADE A VIDA HUMANA COMO, CIRURGIAS,PARTOS, TRANFUSÕES, ETC, COMO VAI PODER FAZER UM SERVIÇO QUE VAI SUPRIR APENAS AS NECESSIDADES UM "FETICHE", DE CERTAS MULHERES E HOMENS...TENHA DÓ

    ResponderExcluir
  25. Quem se importa se mulheres que fazem aborto morrem por causa disso? Quem se importa que não adianta proibir, que a procura não diminuirá? Quem se importa se o aborto é proibido ou não?Quem se importa se os fundamentalistas religiosos que defendem a proibição na verdade não estão nem aí para a humanidade, e só querem saber de seus próprios rabos. Tem de proibir mesmo. Que morram todas que fizerem. Pelo menos haverá uma diminuição populacional dobrada, e o planeta agradece.

    ResponderExcluir
  26. PRA MIM ABORTO É DE SE PENSAR APENAS EM MÁ FORMAÇÃO FETAL NO INICIO DA GRAVIDEZ "PARABENS AO QUE NEGAM AO ABORTO" GILDASIO - MG

    ResponderExcluir
  27. Todos amam o feto mais depois que nasce se foda ! sem escola, educação, saude, jogados como bichos e sendo absorvidos pelo mundo do crime, isso que vc chama de amar o ser humano, pra mim e hipocrisia, falsidade da grossa, minha mãe sempre me falou que se fez tem que cuidar, quem dera se o mundo fosse assim as pessoas querem salvar o mundo mais não conseguem cuidar delas mesmas, deixam seus filhos jogados e transformam o mundo num lugar cada vez pior, acho que o direito de abortar cabe ao casal se e do consentimento dos dois o estado devia apoiar, evitariamos muitos problemas sociais, porque pior que a realidade seja as pessoas que menos deveriam ter filhos são as que mais os geram,ja e dificil criar um filho quando se deseja deve ser quase impossivel quando o despreza, acho que a legalização pelo menos poderia evitar algumas mortes dando auxilio pisicologico e social a mulher ou na maioria dos casos as adolescentes que chegam com a cabeça em frangalhos as clinicas clandestinas muitas vezes obrigadas pelo companheiro !embora tudo que eu tenha dito aqui seja inutil assim como proibir ou legalizar porque as pessoas fazem oque elas querem, os abortos continuaram sendo legais ou ilegais as farmacias ainda venderam remedios para abortos caseiros do mesmo modo, so acho que legalizando poderiam dar mais uma chance para a mãe e para o filho por meio da persoasão e do dialogo! mais e so mais uma opnião !

    ResponderExcluir
  28. assim como o anônimo acima, acho que o aborto,é uma decisão do casal!, é facil dizer que não se pode tirar uma vida, é facil dizer que não se pode deixar uma alma inocente nascer, mas então eu te pergunto, vai ser você autora, que é tanto contra o aborto, que irá pagar as roupas da criança? que vai dar uma educação adequada a ela? que vai deixar ela longe da vida criminosa? vai dizer para a garota de 17 anos da periferia que num tem dinheiro nem pra se sustentar, para pagar tudo para o filho, para que o crie da melhor forma possível, antes acabar com o início de um nascimento do que dar cabo a 2 vidas. ninguém pode negar o direito de uma mulher, a decisão de ser mãe ou não se num for pegar o filho pra criar.

    ResponderExcluir
  29. Gostaria colaborar com a discussão questionando o argumento proposto sobre fotos de abortos.

    Acredito que abortos são realizados nessa etapa de desenvolvimento do feto, por medo das mães, muitas vezes adolescentes, de contar a família, e infelizmente, os fetos são retirados em um estágio em que já estão bem desenvolvidos.

    Se o aborto for legalizado, o mesmo pode ser realizado com uma simples pílula em uma etapa bem inicial da gravidez quanto ainda não há feto, mas um conjunto de células. Nesse caso, a imagem de um pequeno ser, geralmente imaginamos um bebê em nossas mãos, não existe.

    Entretanto a discussão pode ir bem mais fundo, na qual não quero me aprofundar, se discutirmos, quando começa a vida ou mesmo o direito.

    Parabéns pelo seu blog, gostei muito de seus textos.

    ResponderExcluir
  30. Deixa a criança nascer??? No dia que vc, aliás, vc não, sua filha amada que vc criou com todo seu amor tiver o azar de ser estuprada por algum ex presidiário, eu DUVIDO que vc vai deixar ela passar por 9 meses carregando o filho de um marginal, sentindo todas as dores, deixando de viver normalmente e depois carregando na consciência que deu a luz a uma criança que um dia vai crescer e saber que é filho de um estuprador e que a mãe dele abandonou pq não quis ele, aí vc vai repensar no assunto. Alias vc diz que recebe humildemente os 'ataques' que fazem a vc aqui? Pq não publicou meu comentário? Vc sabe qual é!Ah! continuo desejando a vc bem muito sofrimento pra sair desse seu mundinho perfeito.
    PS. Eu ja fiz um aborto, adivinha pq?????? E nem venha querer me julgar, nem vc nem ninguém tem esse direito. Aliás muito me admira esse amor cristão que julga e condena os outros.

    ResponderExcluir
  31. Desculpe-me, Anita, mas eu não recebi comentário seu anteriormente. Se você tiver intenção de enviá-lo novamente, fique à vontade. Não se revolte comigo por eu ser à favor da vida, pois eu estou na situação contrária à sua, pois podia não ter nascido. Reconheço que o seu caso é um dos mais complexos e eu teria dificuldade de aceitar meu próprio destino e parir a criança, apesar da fé que tenho em Deus. Não estou aqui para julgar, não. Estou aqui para defender que se priorize a vida sempre que possível. Eu sei que deve ser difícil para você ficar em paz com a própria consciência e eu desejaria que você não precisasse fazer essa escolha. As mulheres que digo não merecerem ser mães são aquelas que abortam por conforto próprio como está escrito no meu texto. Não é o seu caso. Fique em paz.

    ResponderExcluir
  32. Érica Maria, aprecio se trabalho e por isso me surgiu uma certa curiosidade a saber de seu raciocínio sobre aborto de anencéfalo. escrevi uma monografia sobre dignidade da gestante face à vida do feto anencéfalo, confesso, ainda não estou convicto de minha opinião favorável à antecipação terapêutica do parto, caso haja comprovado anencefalia no feto. você é a favor ou contra,já sabido que a criança não irá sobreviver e levando em consideração o sofrimento que proporciona à gestante? obrigado!

    ResponderExcluir
  33. Respondendo à Mara Fabiana:
    Na vida, temos que lidar com inúmeras situações dolorosas: decepções, luto, fracassos... E, apesar do sofrimento, são essas situações que mudam nosso caráter e, se bem aproveitadas, nos transformam em pessoas melhores.
    Eu não sei dizer por experiência própria o que passam as mães nesta situação. Mas eu não acho que podemos justificar um ato de violência à vida como um remédio para as nossas dores.
    O ser humano é muito limitado na sua avaliação do que é uma vida, por isso o tratamento de um feto anencéfalo parece dúbio. Mas porque interromper antecipadamente a vida que está destinada a durar pouco? Não acredito que a mãe vá se sentir melhor com isso!
    Conheço uma moça que engravidou de gêmeos mas perdeu um neném. Teve que continuar a gravidez assim: mantendo ao mesmo tempo a vida e morte dentro do seu ventre. São situações difíceis, mas são parte da vida.
    Em vez de arrancar à força o fruto da incompreensão, por que não aprender e crescer com a experiência?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget